Baltashow Notícias

Governo ajusta funcionamento de serviços essenciais nas estradas para ajudar caminhoneiros

Politica

Governo ajusta funcionamento de serviços essenciais nas estradas para ajudar caminhoneiros

As políticas de distanciamento social por causa do novo coronavírus estão deixando vários tipos de comércio de portas fechadas. Para ajudar os caminhoneiros em viagem, o governo federal está ajustando com estados e municípios o funcionamento de serviços essenciais nas estradas.

 

Governo ajusta funcionamento de serviços essenciais nas estradas para ajudar caminhoneiros

 

As políticas de distanciamento social por causa do novo coronavírus estão deixando vários tipos de comércio de portas fechadas. Para ajudar os caminhoneiros em viagem, o governo federal está ajustando, com os estados e os municípios, o funcionamento de serviços essenciais nas estradas.

A viagem do caminheiro Jean Carlo de Souza começa em Pelotas, no Rio Grande do Sul. Depois de 1.350 quilômetros de estrada, ele chega a São Paulo, onde descarrega arroz. Em tempos de pandemia, a saudade da família é ainda maior.

Jean Carlo: Já que eles estão na quarentena lá, eu estou na quarentena aqui. Aí eu não estou indo em casa, eu não passo para eles.
Jornal Nacional: Há quanto tempo o senhor está sem ver eles?
Jean Carlo: Há 28 dias.
Jornal Nacional: Um mês quase?
Jean Carlo: É...

Essa não é a única dificuldade. A quantidade de restaurantes abertos no caminho diminuiu em algumas regiões. O caminhão do seu Jean tem até uma cozinha adaptada dentro: tem um pequeno fogareiro, panela de pressão, outra panela, um botijão de gás. O problema é encontrar mercadoria para poder fazer essas refeições. O comércio de estrada está fechado, e a geladeira, vazia.

Em São Paulo, onde a infraestrutura na estrada não foi tão afetada, ele conseguiu se alimentar, mas em outros lugares é diferente.

“Na semana passada, eu fiquei com uma refeição só durante o dia. Só com o café da manhã, porque os lugares que eu passava já estavam fechados. Aí o pessoal disse que tem mercado na cidade, mas o caminhão não entra na cidade”, contou o caminhoneiro.

Em Corumbá, na fronteira com a Bolívia, o caminhoneiro Reginaldo Tagliaferro também relata a dificuldade para comer na estrada.

“Está muito complicado, tem colegas meus que já estão na estrada, estão sofrendo muito, passando fome com dinheiro no bolso. Já pensou? Você com dinheiro no bolso passar fome?”, lamentou.

Em Santa Catarina, o caminhoneiro Heridan Santos Silva tem a mesma reclamação.

“A única coisa que eu estou achando ruim é só devido os restaurantes estarem fechados. Está muito difícil para quem depende de restaurante. Na pista é tudo deserto, você não vê nada. Tudo parado”, contou.

Em Minas Gerais, para comer à noite é ainda mais difícil.

“Para jantar. De dia ainda se encontra marmitex, porta fechada. Servindo só marmitex”, contou Faisner da Silva, caminhoneiro.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, a manutenção de serviços essenciais nas estradas, como pontos de alimentação, depende de ajustes que precisam ser feitos também com estados e com municípios. Para isso, foi criado o Conselho Nacional de Secretários de Transportes, que deve eliminar problemas pontuais criados por medidas de restrição ao comércio adotadas em alguns locais.

“Nós fizemos várias reuniões para ajuste dos decretos de cada um dos estados. Então, hoje, praticamente todos os decretos foram ajustados, mantendo o transporte como essencial, liberando as atividades de suporte ao transporte, como borracharia, restaurante, oficinas, autopeças, para que eles pudessem ter a condição de trabalho”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

O ministro da Infraestrutura disse ainda que o governo federal vai distribuir kits de proteção para os caminhoneiros.

“Basicamente serão máscaras e luvas, assim que a gente tiver de posse desse material, são um milhão de kits, a gente vai iniciar essa distribuição. A gente já está providenciado álcool em gel, vamos ter uma quantidade também grande para fazer essa distribuição. Então, a gente está ajustando aí a questão de fabricação e recepção do material para poder fazer também a distribuição. Todo mundo compreende que é uma atividade essencial. Estamos fazendo todo esforço para que eles tenham a melhor condição possível de trabalho nesse momento”, destacou Tarcísio Gomes de Freitas.

G1

ENVIE NOTÍCIAS PARA O EMAIL
centralbaltashow@gmail.com
whatsapp Baltashow 63.984688254

Deixe seu comentário aqui:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da Baltashow Notícias e são de total responsabilidade de seus autores.