Baltashow Notícias

MPF propõe ação na Justiça contra ministro do Trabalho por improbidade

Politica

MPF propõe ação na Justiça contra ministro do Trabalho por improbidade

Documento fala em 'grave retrocesso social'; lista suja e enfraquecimento de fiscalização estão entre alegações. G1 tenta contato com ministro Ronaldo Nogueira.

Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho (Foto: Reprodução/NBR TV)

O Ministério Público Federal no DF (MPF) propôs à Justiça, nesta quarta-feira (6), uma ação de improbidade administrativa contra o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Segundo o documento, o ministro "desrespeita as normas legais" o que teria resultado no enfraquecimento das ações de fiscalização e combate à erradicação do trabalho escravo no país. O G1 tenta contato com o ministro.

No entendimento do MPF, desde que Nogueira foi nomeado para o cargo - em maio do ano passado -, ele teria tomado medidas administrativas para "enfraquecer políticas públicas", entre elas, a publicação da portaria que regulamenta o trabalho escravo.

A portaria - publicada em outubro - alterou os conceitos que devem ser usados pelos fiscais para identificar um caso de trabalho forçado, degradante e em condição análoga à escravidão, além de exigir, por exemplo, que o fiscal apresente um boletim de ocorrência junto ao seu relatório.

 

“Não há que se falar em aprimoramento do Estado brasileiro, muito menos em segurança jurídica, quando o conceito de trabalho escravo, os efeitos da lista suja [...] são restringidos. O que se vê, claramente, é um grave retrocesso social.”

 

O documento entregue à Justiça pede a condenação do ministro às sanções civis como ressarcimento integral por danos causados, além da perda da função pública e suspensão dos direitos políticos. Ronaldo Nogueira é deputado federal pelo PTB do Rio Grande do Sul e está licenciado da Câmara Federal.

 
Fantástico - trabalho escravo (Foto: Reprodução/Fantástico)Fantástico - trabalho escravo (Foto: Reprodução/Fantástico)

Fantástico - trabalho escravo (Foto: Reprodução/Fantástico)

 

'Omissão'

 

A ação proposta pelo MPF aponta, ainda, que Nogueira, de forma "omissa e deliberada", deixou de repassar os recursos orçamentários necessários para o desempenho das operações do Grupo Especial de Fiscalização Móvel – responsável por fiscalizar as relações de trabalho.

A ação foi assinada por cinco procuradores da República. Para uma das procuradoras, Ana Roman, a manutenção das atividades de fiscalização é um "eixo central" da política pública de erradicação do trabalho escravo.

 

“É dever que se impõe ao ministro do Trabalho, a fim de se evitar um retrocesso social.”

 

 
Fotografia de trabalhador resgatado em condição análoga a de escravo, em exposição em SP (Foto: Sérgio Carvalho)Fotografia de trabalhador resgatado em condição análoga a de escravo, em exposição em SP (Foto: Sérgio Carvalho)

Fotografia de trabalhador resgatado em condição análoga a de escravo, em exposição em SP (Foto: Sérgio Carvalho)

 

Lista suja

 

Um outro argumento que moveu a ação também é referente à não-divulgação da Lista Suja do trabalho escravo no país. O documento que traz o nome de empregadores autuados em fiscalizações por manter trabalhadores em condições análogas à escravidão, só foi publicado em outubro deste ano, após uma decisão do Supremo Tribunal Federal.

A divulgação se tornou alvo de ações do Ministério Público do Trabalho e de uma recomendação do Conselho Nacional dos Direitos Humanos depois da publicação de uma portaria expedida pelo ministro Ronaldo Nogueira que dificulta a fiscalização do trabalho escravo e altera as regras para a divulgação da lista.

G1

ENVIE NOTÍCIAS PARA O EMAIL
redacao.baltashow@gmail.com
whatsapp Baltashow 63.84688254

Deixe seu comentário aqui:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da Baltashow Notícias e são de total responsabilidade de seus autores.